Notícias

19/05/2022
Bradesco
Atualização 19/05/2022 11:04
Bradesco e BB discutem volta ao trabalho presencial Bradesco

Bradesco e BB discutem volta ao trabalho presencial


Sindicatos lutam por melhores condições para o retorno dos trabalhadores

O governo federal assinou portaria no dia 22 de abril determinando o fim da Espin (Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional) e do Acordo Emergencial de Covid-19, que autorizava o trabalho em home office

Bradesco e Banco do Brasil já enviaram comunicado aos trabalhadores convocando para o retorno ao presencial, inclusive dos grupos de risco. O movimento sindical está lutando por melhores condições nesse retorno, com atenção especial a quem está mais vulnerável à Covid19. 
 

Bradesco

Os funcionários devem voltar a partir da segunda, 23/05. O banco destacou que as recomendações de prevenção contra a covid-19, como uso de máscaras, permanecem, mas não têm mais caráter obrigatório. 

Os bancários com sintomas devem procurar atendimento médico e testagem, mas o trabalhador só será afastado durante o período que o médico orientar, sem fechamento da unidade para sanitização, nem afastamento sem sintomas.

A representação dos trabalhadores solicitou ao banco que verificasse os casos mais graves do grupo de risco, com maior vulnerabilidade ao vírus. O banco se comprometeu a passar esses casos para a análise da área médica.

Também começa a valer a partir do dia 23 o acordo de teletrabalho, negociado com o movimento sindical e aprovado em assembleia pelos trabalhadores do banco em setembro de 2020.


Banco do Brasil

Em reunião com o banco realizada na tarde da terça-feira (17/05), o coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), João Fukunaga, deixou claro que vai querer negociar com o banco a forma de retorno ao presencial, bem como a compensação do banco de horas negativas e evitar que haja descomissionamentos em massa.

“Tínhamos acordado com o banco que não seriam realizados descomissionamentos até que se encerrasse o Estado de Emergência. Agora, queremos evitar que colegas de trabalho sejam penalizados neste período em que a covid-19 ainda não se encerrou e a economia do país está extremamente abalada, com um desemprego altíssimo e uma inflação que corrói os salários das pessoas”, explicou Fukunaga. 

A secretária da Mulher e representante da Contraf-CUT nas negociações com o Banco do Brasil, Fernanda Lopes, lembrou do enorme banco de horas negativas criado devido à necessidade de afastamento devido ao problema de saúde pública. “O banco de horas de alguns, que não conseguiram trabalhar remotamente, é bastante alto e temos a preocupação de como será feita a compensação”.

Além do mais, "mesmo com a pandemia, o Banco do Brasil teve um lucro altíssimo graças, também, ao trabalho desempenhado por seus funcionários. O banco não pode sufocá-los agora com este banco de horas e muito menos tirar suas comissões”, completou a dirigente da Contraf-CUT.
 

Fonte: SEEB BNU e Contraf-CUT

Compartilhe:

Controle sua privacidade

Nosso site usa cookies para melhorar a navegação. Clique em "Minhas opções" para gerenciar suas preferências de cookies.

Quem pode usar seus cookies?

×

Cookies necessários

São essenciais pois garantem o funcionamento correto do próprio sistema de gestão de cookies e de áreas de acesso restrito do site. Esse é o nível mais básico e não pode ser desativado.
Exemplos: acesso restrito a clientes e gestão de cookies.

Cookies para uma melhor experiência (2)

São utilizados para dimensionar o volume de acessos que temos, para que possamos avaliar o funcionamento do site e de sua navegação e para oferecer a você melhores produtos e serviços.
Exemplos: Google Tag Manager, Pixel do Facebook, Google Ads, Google Analytics.mais detalhes ›

Shareaholic

Google Analytics - Estatística Básica


Warning: Unknown: write failed: Disk quota exceeded (122) in Unknown on line 0

Warning: Unknown: Failed to write session data (files). Please verify that the current setting of session.save_path is correct (/tmp) in Unknown on line 0